Entenda melhor como se dá a hepatite em animais

Quem tem cão em casa entende a importância de proteger o bichinho de estimação contra doenças. Além de uma dieta balanceada e da prática constante de exercícios, uma rotina saudável para o seu animal deve incluir a prevenção contra diversas enfermidades, como é o caso da hepatite infecciosa.

Ela pode ser fatal para a saúde do seu cão, o que torna necessário entendê-la e conhecer os seus principais sinais. Neste texto, conheça as características da doença, como é feito o contágio, qual é a forma de tratamento e o modo de prevenção.

Definição

A hepatite infecciosa canina é uma doença causada pelo adenovírus canino do tipo 1. Este tipo de agente ataca as células hepáticas, que constituem o fígado, e causam inflamação no órgão. Caso não seja tratada, ela pode causar graves consequências ao animal.

Clinicamente, a doença pode se manifestar de diferentes formas, sendo que elas serão determinadas de acordo com sua intensidade. O tipo subclínico é quando as células de defesa do organismo agem rapidamente e neutralizam o vírus. Isso resulta em  manifestações muito leves, sendo que, na maioria dos casos, o cachorro fica assintomático.

No tipo agudo, os sintomas são mais perceptíveis, o que exige um acompanhamento médico intenso por um período de até sete dias. Já o terceiro e último tipo, o hiperagudo, é o mais agressivo para o cachorro, sendo comum em filhotes. Nele, a doença evolui rapidamente, fazendo com que o cão venha a falecer antes mesmo do diagnóstico ser realizado.

Contágio

A hepatite infecciosa é extremamente contagiosa, oferecendo perigo maior para filhotes e cachorros jovens. O vírus causador da enfermidade é transmitido durante a fase aguda da doença, por meio de secreções, como saliva e muco nasal. É possível encontrar o vírus na urina do cachorro por até seis meses após a sua recuperação.

Ectoparasitas, como pulgas e carrapatos, também são capazes de transmitir a doença, que ataca apenas os cachorros, não oferecendo riscos aos humanos, aos gatos e outros animais. Portanto, além dos cuidados com a higiene do cão, caso um animal tenha a doença, lembre-se de mantê-lo separado de outros caninos durante o período agudo.

Sintomas e diagnóstico

Alguns sintomas ajudam a identificar que o animal tem a suspeita de hepatite. Entre eles, pode-se citar a diarreia, a tosse, os vômitos, a apatia, o aumento da temperatura e a sede intensa. Em casos mais graves, a doença ataca o sistema nervoso do cão, causando tremores, desorientação e convulsões.

Apesar desses sinais, não é recomendado que o dono faça o diagnóstico por conta própria. Caso o seu cachorro manifeste alguns desses sintomas, leve-o imediatamente ao médico-veterinário para que ele faça a examinação correta e dê início ao tratamento adequado.

Tratamento e recuperação

Apesar de os riscos que ela oferece à saúde do animal, a hepatite infecciosa tem tratamento com boas chances de recuperação. Uma vez feito o diagnóstico, é importante fortalecer o fígado. Por isso, é aplicado soro e suplementação de nutrientes, para que o cachorro não tenha problemas e possa combater a presença do vírus.

Para ajudar na recuperação, o veterinário pode indicar uma dieta especial ao bichinho. No geral, ela evita rações e alimentos que tenham muitas proteínas. Em vez disso, deve-se optar por refeições que tenham muitas fibras. Muita hidratação e descanso também são importantes para garantir uma rápida retomada de bem-estar.

Prevenção

Quem tem cão em casa entende a importância de proteger o bichinho de estimação contra doenças. Além de uma dieta balanceada e da prática constante de exercícios, uma rotina saudável para o seu animal deve incluir a prevenção contra diversas enfermidades, como é o caso da hepatite infecciosa.

Ela pode ser fatal para a saúde do seu cão, o que torna necessário entendê-la e conhecer os seus principais sinais. Neste texto, conheça as características da doença, como é feito o contágio, qual é a forma de tratamento e o modo de prevenção.

Definição

A hepatite infecciosa canina é uma doença causada pelo adenovírus canino do tipo 1. Este tipo de agente ataca as células hepáticas, que constituem o fígado, e causam inflamação no órgão. Caso não seja tratada, ela pode causar graves consequências ao animal.

Clinicamente, a doença pode se manifestar de diferentes formas, sendo que elas serão determinadas de acordo com sua intensidade. O tipo subclínico é quando as células de defesa do organismo agem rapidamente e neutralizam o vírus. Isso resulta em  manifestações muito leves, sendo que, na maioria dos casos, o cachorro fica assintomático.

No tipo agudo, os sintomas são mais perceptíveis, o que exige um acompanhamento médico intenso por um período de até sete dias. Já o terceiro e último tipo, o hiperagudo, é o mais agressivo para o cachorro, sendo comum em filhotes. Nele, a doença evolui rapidamente, fazendo com que o cão venha a falecer antes mesmo do diagnóstico ser realizado.

Contágio

A hepatite infecciosa é extremamente contagiosa, oferecendo perigo maior para filhotes e cachorros jovens. O vírus causador da enfermidade é transmitido durante a fase aguda da doença, por meio de secreções, como saliva e muco nasal. É possível encontrar o vírus na urina do cachorro por até seis meses após a sua recuperação.

Ectoparasitas, como pulgas e carrapatos, também são capazes de transmitir a doença, que ataca apenas os cachorros, não oferecendo riscos aos humanos, aos gatos e outros animais. Portanto, além dos cuidados com a higiene do cão, caso um animal tenha a doença, lembre-se de mantê-lo separado de outros caninos durante o período agudo.

Sintomas e diagnóstico

Alguns sintomas ajudam a identificar que o animal tem a suspeita de hepatite. Entre eles, pode-se citar a diarreia, a tosse, os vômitos, a apatia, o aumento da temperatura e a sede intensa. Em casos mais graves, a doença ataca o sistema nervoso do cão, causando tremores, desorientação e convulsões.

Apesar desses sinais, não é recomendado que o dono faça o diagnóstico por conta própria. Caso o seu cachorro manifeste alguns desses sintomas, leve-o imediatamente ao médico-veterinário para que ele faça a examinação correta e dê início ao tratamento adequado.

Tratamento e recuperação

Apesar de os riscos que ela oferece à saúde do animal, a hepatite infecciosa tem tratamento com boas chances de recuperação. Uma vez feito o diagnóstico, é importante fortalecer o fígado. Por isso, é aplicado soro e suplementação de nutrientes, para que o cachorro não tenha problemas e possa combater a presença do vírus.

Para ajudar na recuperação, o veterinário pode indicar uma dieta especial ao bichinho. No geral, ela evita rações e alimentos que tenham muitas proteínas. Em vez disso, deve-se optar por refeições que tenham muitas fibras. Muita hidratação e descanso também são importantes para garantir uma rápida retomada de bem-estar.

Prevenção

Além dos cuidados citados, existe uma forma fácil de evitar que o animal sofra com a doença: vacinando-o. As vacinas são aplicadas em três doses, a partir do momento que ele completa 45 dias de vida. O intervalo de cada uma delas é de 30 dias. Se o veterinário julgar necessário, ele pode pedir para que um reforço anual seja feito.

Além dos cuidados citados, existe uma forma fácil de evitar que o animal sofra com a doença: vacinando-o. As vacinas são aplicadas em três doses, a partir do momento que ele completa 45 dias de vida. O intervalo de cada uma delas é de 30 dias. Se o veterinário julgar necessário, ele pode pedir para que um reforço anual seja feito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *