Como a inteligência emocional pode ser um fator decisivo no futuro

A inteligência emocional é influenciada por traços combinados da personalidade de uma pessoa. E quanto mais alta ela for, maiores são os benefícios para a carreira e também para sua vida pessoal. 

Inclusive, a inteligência emocional influencia na capacidade de liderança.

Por conta disso, sua medida, conhecida como Quociente Emocional (QE) é considerada um bom radar para os processos de recrutamento e seleção. 

Ela está à frente do QI (Quociente de Inteligência) para determinar quando um funcionário é um bom profissional.

Por isso, neste artigo, vamos falar como preparar a inteligência emocional dos seus colaboradores, como avaliar sua taxa de satisfação e como levar a inteligência emocional em conta nos processos de recrutamento. 

O que é inteligência emocional?

Inteligência emocional é o nome dado a um conjunto de competências que estão relacionadas à forma como uma pessoa lida com suas emoções. Isso envolve:

  • Percepção;
  • Processamento;
  • Compreensão;
  • Habilidade em gerenciá-las.

Ela compreende, também, as soft skills, que são conectadas às características das interações com os outros.

Como preparar os colaboradores para uma inteligência emocional saudável

Para que a organização consiga trabalhar de maneira produtiva e atingir bons resultados, precisa ter uma equipe equilibrada e em harmonia. Nesse momento, a inteligência emocional exerce uma grande influência.

Para que se consiga desenvolver uma inteligência emocional saudável entre os colaboradores, a empresa pode investir em práticas como:

1 – Treinamentos

Existem muitos treinamentos focados em inteligência emocional para profissionais. Eles são um ótimo caminho para desenvolver atitudes positivas no ambiente profissional.

Estes possuem conteúdos estruturados por especialistas, que auxiliam na solução de conflitos do cotidiano e aprimoram o ambiente empresarial. 

Podem ser benéficos tanto para uma empresa de retirada de entulho quanto para um escritório de advocacia.

2 – Feedbacks regulares

Uma empresa que preze pela inteligência emocional de seus colaboradores oferece feedbacks claros e bem estruturados. Ele é feito com críticas construtivas que fazem o funcionário se sentir valorizado.

Ao ouvir da liderança, de maneira respeitosa, seus erros e acertos, consegue melhorar seu autoconhecimento, autocrítica e automotivação. 

Dessa forma, busca corrigir seus erros e trabalhar de forma a se aperfeiçoar no que faz.

Como avaliar a taxa de satisfação dos colaboradores

Se uma fabricante de bateria automotiva 60 amperes se preocupa com a satisfação dos colaboradores, por exemplo, eles tendem a sentir-se mais motivados. Só que, para isso, é preciso avaliar algumas taxas, como:

Índice de satisfação do funcionário

Esse índice deve ser formulado a partir de 3 questões direcionadas aos colaboradores, que são:

1. Está satisfeito com o local de trabalho?

2. Você atinge suas expectativas aqui?

3. Ele está de acordo com um ambiente que você considera ideal?

Com os resultados em mãos, juntamente com o RH, é possível identificar problemas que possam surgir a partir das respostas.

Absenteísmo

As taxas de absenteísmo em seus variados tipos ajudam a identificar os colaboradores que não tenham compromisso com a empresa. 

Por exemplo, ausências injustificadas constantes é um indício de insatisfação muito alto.

Como avaliar a inteligência emocional no recrutamento?

Não existe um modelo ideal que possa ser aplicado a todos os perfis ou posições, mas em geral, uma empresa de entrega via motoboy pode avaliar questões como:

1 – Autoconhecimento

São criados contextos reais que testam a capacidade do candidato em perceber seus sentimentos, identificá-los e nomeá-los. 

Isso mostrará se ele tem capacidade de reconhecer razões subjacentes a essas emoções.

2 – Autocontrole

São propostos vários cenários de trabalho e cotidiano para que o candidato explique suas capacidades em gerenciar suas emoções.

Outras soft skills importantes

Durante um recrutamento ou no dia a dia das empresas, é importante avaliar algumas soft skills dos colaboradores que também são importantes.

Algumas delas são: saber trabalhar em grupo; saber se adaptar às mudanças; trabalhar sob pressão, gerenciando o estresse sem perder o foco; ter uma comunicação eficaz, ouvindo atentamente e se comunicando de maneira clara.

Também é importante levar em conta a orientação para resultados, que permite atingir o resultado final de maneira mais eficaz; e ter uma boa liderança de equipe, sabendo motivar e engajar grupos.

Conclusão

A inteligência emocional é muito importante para as empresas, mas principalmente para os colaboradores. Trata-se de uma característica imprescindível na hora de fazer um bom trabalho e entregar para a organização aquilo que ela deseja.

Portanto, as empresas podem ajudar seus colaboradores e desenvolverem uma inteligência emocional saudável, para se tornarem melhores profissionais e ajudarem a conquistar os objetivos da organização.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *