13 de agosto de 2018

Declaração de diretor da PF mexe com os ânimos de Gleisi Hoffmann e Boulos

Em entrevista ao “Estadão”, o diretor-geral da Polícia Federal, Rogério Galloro, comentou sobre o episódio que movimentou uma “guerra de liminares” no Tribunal Regional Federal da 4° Região. 



Segundo entrevista do diretor da PF, o dia foi tenso. O desembargador Rogério Favreto decidiu soltar Lula, acatando pedido de habeas corpus. No entanto, o caso movimentou magistrados que repudiaram a ação.

Galloro disse que estava passeando com sua família no shopping, em Brasília. Logo em seguida, recebeu um telefonema avisando sobre o pedido de soltura de Lula. Entretanto, com a pressão do momento, Galloro declarou que iria cumprir a decisão do plantonista, porém foi logo pego de surpresa por mais outros telefonemas.

A procuradora-Geral da República, Raquel Dodge, ligou pra Galloro pedindo para que Lula não fosse solto. Além do mais, o presidente do tribunal, Carlos Thompson Flores, declarou que também não estava a favor da ação do desembargador plantonista.