14 de maio de 2018

Confiada a Moro, delação de empresário pode virar pesadelo para Lula e Dilma

Raquel Dodge quer que Sérgio Moro apure essas contas no exterior e desvende possíveis crimes dos petistas.

Resultado de imagem para Moro

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu para que fosse enviado ao juiz federal Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal Curitiba, responsável pelas ações da Operação Lava Jato no Paraná, um desmembramento da delação da JBS. 

Nela, o empresário Joesley Batista teria dito que pagou US$ 150 milhões (R$ 532 milhões de reais) em contas no exterior.

Toda essa fortuna, segundo ele, seria para possíveis contas do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da presidente cassada Dilma Rousseff, amos do PT. Vale ressaltar que as contas citadas por ele estão em seu próprio nome.

Essa propina seria um tipo de pagamento para que o dono do frigorífico tivesse acesso privilegiado aos cofres do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), tudo com a ajuda do ex-ministro da Fazenda Guido Mantega.