14 de janeiro de 2018

Ministro se torna réu por fraude das urnas eletrônicas

Matheus Carneiro foi Procurador da Fazenda e é um dos autores da ação que bota o bolivariano Dias Toffoli do TSE, também responsável pelo julgamento da Lava Jato no STF, como réu, em face das mutretas com as urnas eletrônicas. Matheus também foi o autor do pedido de Impeachment de Dias Toffoli, engavetado por Renan Calheiros (PMDB) no Senado, e que ainda perambula pelo STF.



Trata-se da Ação Popular Nº 5004277-19.2015.4.04.7204/SC, constante na Justiça Federal de Santa Catarina.

A AÇÃO

Na ação, Toffoli, a União e a Smartmatic se tornaram réus em face de investigações sobre a contratação de 91.515 urnas eletrônicas ao custo de R$ 204.236.454,69 milhões de Reais.

Tais urnas poderiam estar fraudadas, no entender dos autores da ação, já que sua contratação, bem como os aditivos são ilegais.

Outra coisa que chama a atenção, na Ação, é que o contrato vigente de 27/12/2015 a até 27/12/2016, recebeu 4 aditivos, sendo um deles, um gordo aditivo de R$ 435 mil reais.

Ou seja, nem bem havia começada a execução do contrato e o mesmo recebeu 4 aditivos, tendo um deles essa dinheirama toda envolvida. E outra coisa mais séria: quem são os donos da Smartmartic? E da Diebold? Qual a relação dos sujeitos com Toffoli, o Foro de São Paulo e o desgoverno do PT?