13 de janeiro de 2018

Cuidado: Rivotril é uma grande farsa

Você vai ficar revoltado com a razão que tornou este remédio o mais consumido do Brasil. Mais uma vergonha para este país caótico e corrupto. Rivotril , até quando?



É de se desconfiar quando um remédio necessariamente controlado, de tarja preta, se torna um dos medicamentos mais vendidos no País. Será que realmente há tanta gente que precisa ser medicada?

Para que serve
Além de ser ansiolítico (agir contra a ansiedade), o remédio é anticonvulsante, poderoso relaxante muscular (e por isso é usado muitas vezes para tratamento de insônia) e é usado até para casos de overdose de anfetamina. Apesar de ter tantas propriedades, a categoria dos tranquilizantes não acompanha o sucesso do Rivotril.

“Essa categoria é apenas a sétima que mais vende no Brasil. Fica atrás de analgésicos, anticoncepcionais e mais uma lista de medicamentos”, conta a psiquiatra Andrea Mercantes.

Amigo Rivs
A professora do Ensino Médio Carolina Carpezim, 36 anos, faz parte dos usuários do Rivotril há seis anos. Na bolsa, além do celular, batom e da chave de casa, há sempre uma caixinha do remédio.

“O primeiro comprimido ganhei de uma amiga, quando terminei meu relacionamento de cinco anos. De lá pra cá, não parei mais. Sempre que me dá uma baixa emocional já tomo um comprimido. O Rivs (apelidinho dado por quem consome) é a grande invenção da humanidade”, conta ela.

Efeito bem-estar
Esse uso descontrolado em qualquer sinal de alteração dos ânimos é um dos grandes fatores para as vendas do remédio estarem sempre em alta. “O problema não é apenas o vício e a dependência que o consumidor de Rivotril cria. Há aí um problema sério no atendimento médico ao paciente também. Basta dizer que não está bem e o médico logo receita o ansiolítico. Cria a sensação de bem-estar, mas não resolve o real problema”, explica Andrea.