23 de outubro de 2017

TCU bloqueia bens de Dilma por causa do roubo de Pasadena

A destruição promovida pelos quase 14 anos de lulopetismo no poder foi ampla, geral e irrestrita, mas a Petrobras certamente aparecerá em qualquer lista das principais vítimas do PT. 



A pilhagem criminosa a que a estatal foi submetida para abastecer o projeto de poder petista é a principal, mas não a única agressão que atingiu a empresa: enormes prejuízos tiveram origem em políticas populistas de manipulação dos preços dos combustíveis ou em decisões irresponsáveis, como a compra de uma refinaria em Pasadena, no Texas. Mas, pelo menos neste caso, alguma justiça deverá ser feita: em 11 de outubro, o Tribunal de Contas da União (TCU) mandou bloquear os bens dos responsáveis pelo negócio, incluindo a ex-presidente Dilma Rousseff.

Relatórios do TCU que analisaram o negócio (causador de um prejuízo de US$ 580 milhões à Petrobras) e tiveram seu conteúdo divulgado em 2014 divergiam sobre a responsabilidade dos conselheiros. Um documento culpava Dilma e os outros membros do colegiado, que tinham sido no mínimo irresponsáveis; outro isentava os conselheiros e culpava apenas Cerveró, Gabrielli e Paulo Roberto Costa, também diretor da Petrobras