24 de setembro de 2017

Em reunião, generais discutiram Intervenção Militar

A revista Istoé, desta semana, publica uma reportagem, intitulada “O risco da radicalização”, sobre uma reunião realizada na surdina com a presença do Alto Comando do Exército, em que se discutiu a possibilidade de uma intervenção militar no País. 

(Foto: Divulgação)

Segundo a publicação, a declaração do general Antonio Hamilton Martins Mourão, na última semana, com notas extremistas, teria sido o eco deste encontro. O colegiado é o responsável pelas principais decisões do Exército.

Segundo a revista, estavam presentes 16 generais quatro estrelas, entre eles Fernando Azevedo e Silva, chefe do Estado-Maior e Comandante Militar do Leste, cotado para substituir o general Eduardo Villas Bôas, prestes a encerrar seu ciclo no comando do Exército. Compareceram também os demais seis comandantes militares, entre os quais o da Amazônia, general Antonio Miotto, e o do Sul, general Edson Leal Pujol.

Em tese, o encontro não tinha a finalidade de tramar um golpe militar, mas o motivo da realização foi a preocupação com o ritmo acelerado da deterioração do quadro político brasileiro. Entretanto, como Mourão expressou, se houver necessidade, estarão prontos “para uma intervenção com o objetivo de colocar ordem na casa”. “Quando os militares se meteram a fazer política, pela última vez, mergulharam o País em 21 anos de trevas, os quais não podemos esquecer para que jamais novamente aconteça”, lembra a revista.

A declaração de Mourão gerou um mal-estar entre o Exército e o Ministério da Defesa. O ministro Raul Jungmann (PPS) pediu explicações a Villas Bôas e punição a Mourão. O comandante, além de elogiar o subordinado, disse que não haveria punição e ainda colocou mais lenha à fogueira, ao dizer que “a Constituição concede às Forças Armadas um mandato para intervir se houver no País a iminência de um caos”. O Senado, então, convidou Jungmann para explicar o ocorrido.

Informações: Blog do Diário e IstoÉ