28 de setembro de 2015

Uso de agrotóxico dobrou no Brasil, diz IBGE



Entre os anos de 2002 e 2015, aumento na venda foi de 255%. São Paulo lidera ranking dos estados onde comercialização é maior. 

O IBGE divulgou nesta sexta-feira (19) um relatório sobre o chamado desenvolvimento sustentável. É um estudo que considera não só a atividade econômica, mas também as questões ambientais. E esse documento traz um alerta: a venda de agrotóxicos no Brasil cresce em ritmo acelerado. Nunca se usou tanto agrotóxico nas lavouras brasileiras. De acordo com o IBGE, a utilização de produtos químicos para o controle de pragas, doenças e ervas daninhas mais que dobrou em dez anos.

Entre 2002 e 2012, a comercialização de agrotóxicos no país passou de quase três quilos por hectare para sete quilos por hectare. Um aumento de 155%. São Paulo lidera o ranking dos estados onde a venda de agrotóxicos é maior, seguido de Goiás e Minas Gerais. Para o pesquisador da Unicamp o aumento é preocupante. “Se você tem um uso maior do que o recomendado, você tem uma contaminação ambiental maior, você tem o risco de uma contaminação ambiental maior”, afirma Antônio Bliska Junior, pesquisador da Unicamp. Os fabricantes recomendam que se siga à risca as recomendações de uso para que o veneno ataque apenas as espécies que ameaçam as plantações.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária disse que acompanha a situação, e que pode reavaliar o registro de agrotóxicos se surgirem indícios de riscos para a população, ou se receber algum alerta de organizações internacionais. O Ministério da Agricultura declarou que fiscaliza o comércio e o uso de agrotóxicos de forma rigorosa. O Jornal Nacional perguntou ao Ministério sobre a falta de informações para consumidores e agricultores, como foi mostrado na reportagem. O Ministério da Agricultura informou que as informações estão publicadas na internet.