Pular para o conteúdo principal

Dilma combina nota com Lula para acalmar Mercadante



Foi tudo combinado. As informações dando conta de que Aloizio Mercadante estava na linha de tiro aborreceram de tal forma o chefe da Casa Civil que a presidente Dilma Rousseff decidiu telefonar para seu padrinho político, Luiz Inácio Lula da Silva, na manhã de quarta-feira, pedindo ajuda. Dilma avisou Lula que divulgaria uma nota oficial para desmentir a notícia de que o ex-presidente não apenas fizera críticas a Mercadante como a havia aconselhado a dar uma 'chacoalhada' na articulação política do governo. Motivo: o ministro, capitão do time, tinha ficado muito abatido com os rumores sobre sua perda de poder.
Lula, então, também determinou à sua assessoria que redigisse uma nota. "Eu soube que o Mercadante está cabisbaixo, triste. Desmente aí (as críticas)", afirmou o ex-presidente, segundo relato de um interlocutor que presenciou a cena, no Instituto Lula, em São Paulo. Não é de hoje, porém, que o ex-presidente dá estocadas no ministro da Casa Civil, definido como um interlocutor sem jogo de cintura no trato com os aliados. "Mas Mercadante está na articulação política do governo? Eu não sabia", ironizou, na quarta-feira, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).
Na prática, Dilma vai adotar um novo modelo de coordenação no Palácio do Planalto, na tentativa de melhorar o relacionamento com o PMDB e outros partidos da coalizão, além de evitar novas derrotas no Congresso. Lula, de fato, sugeriu que Mercadante cuidasse apenas da gestão do governo. Em 2004, antes de estourar o escândalo do mensalão, ele adotou a mesma estratégia. Tirou formalmente o então todo poderoso ministro José Dirceu (Casa Civil) da articulação política, mandou o petista se dedicar às questões administrativas e incumbiu Aldo Rebelo (PC do B) de fazer a "ponte" entre o Palácio do Planalto e o Congresso. Não deu certo.
Até mesmo aliados do governo dizem hoje que, por seu perfil centralizador, Mercadante nunca ficará fora da coordenação política, embora o "varejo" das negociações seja feito pelo titular de Relações Institucionais, Pepe Vargas. Agora, porém, Dilma foi convencida por Lula de que o ministro da Defesa, Jaques Wagner, deve ser cada vez mais escalado para missões espinhosas. É Wagner, por exemplo, quem tem tentado acalmar o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), em rota de colisão com o governo desde que apareceu na lista do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, por suspeita de participação no esquema de desvio de recursos da Petrobrás. O ministro da Defesa e o chefe da Casa Civil são hoje os principais nomes do PT para a sucessão de Dilma, em 2018, caso Lula não queira disputar a eleição.  
Além de reforçar o poder de Wagner, Dilma também dará mais espaço ao PMDB e aos aliados PSD e PC do B na equipe. Chamará para um "rodízio" de tarefas no Congresso os ministros Eliseu Padilha (Aviação Civil), Gilberto Kassab (Cidades) e Aldo Rebelo (Ciência e Tecnologia). O objetivo do trio será jogar água na fervura da crise política. Lula adotou modelo semelhante, com outros personagens, quando eclodiu o escândalo do mensalão, em 2005.

Postagens mais visitadas deste blog

Sergio Moro pede apoio do povo brasileiro e diz que vai até o fim

O aniversário de 44 anos do juiz Sergio Moro nesta segunda-feira (1º) tem movimentado as redes sociais, principalmente entre os apoiadores da Operação Lava Jato e do impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT). 



O Movimento Avante Brasil, um dos organizadores das manifestações de 2016, prepara um “Twittaço” para esta segunda, às 18h.

Os protestos deste domingo (31) anteciparam as comemorações. Os manifestantes cantaram parabéns para o magistrado, responsável pelos processos na primeira instância.

A hashtag #FelizAniversarioMoro já é bastante publicada no Twitter na manhã desta segunda-feira. As mensagens se revezam entre agradecimentos, pedidos de prisão, “indiretas” e apelos ao “herói do povo brasileiro”.

90% dos juízes apoiam plea bargain de Moro

Pesquisa 'Quem somos. A magistratura que queremos', realizada pela Associação dos Magistrados Brasileiros, revela que a grande maioria de toga declara-se favorável ao sistema de transação penal que ministro da Justiça incluiu no pacote com alterações em 14 leis levado ao Congresso na semana passada.



Cerca de 90% dos magistrados brasileiros apoiam o plea bargain, acordo penal usado em larga escala nos Estados Unidos e defendido pelo ministro da Justiça Sérgio Moro, o ex-juiz federal da Operação Lava Jato. A informação consta de pesquisa realizada pela Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), maior e mais influente entidade de classe que reúne em torno de 15 mil juízes de todo o País. A toga faz uma ressalva: endossa o plea bargain ‘desde que haja participação dos juízes’ nos acordos.

A pesquisa da AMB, rotulada ”Quem somos. A magistratura que queremos’, é um consolidado das cerca de 4 mil respostas ao questionário enviado a magistrados brasileiros, ativos e inativos, e aos m…

PF divulga inventário de Marisa Leticia, R$ 12 milhões em imóveis

Com informações doO Antagonista, Os advogados de Lula entregaram à Justiça a relação de bens do petista e de Marisa Letícia, morta em fevereiro deste ano.



As informações fazem parte do inventário da ex-primeira-dama. O patrimônio declarado do casal soma 11,7 milhões de reais, conforme a lista de bens abaixo:

1 – Apartamento residencial no Edifício Green Hill, em São Bernardo do Campo
Valor: R$ 602.435,01

2 – Apartamento residencial, número 92, no Edifício Kentucky, em São Bernardo do Campo
Valor: R$ 179.606,73

3 – Apartamento residencial, número 102, no Edifício Kentucky, em São Bernardo do Campo.
Valor: R$ 179.606,73

4 – Fração do Sítio Engenho da Serra, em São Bernardo do Campo
Valor: R$ 413.547,57

5 – Direito de aquisição de uma fração do Sítio Engenho da Serra, em São Bernardo do Campo
Valor: R$ 130.000,00

6 – Automóvel Ford Ranger 2013/2013
Valor: R$ 104.732,00

7 – Automóvel Ômega CD 2010/2011
Valor: R$ 57.447,00

8 – Conta corrente no banco Bradesco
Valor: R$ 26.091,51 (posição de fevereiro/2017)

China sugere ao Brasil a Lei que dá pena de morte para os políticos corruptos

Tribunal popular ѕuрrеmо dа Chіnа еѕtаbеlесеu umа lеі que tráѕ a реnа de morte, раrа оѕ роlítісоѕ corruptos que fizeram desvio dе vеrbа, frаudе fiscal e ԛuе rесеbеrаm vаlоrеѕ іlíсіtоѕ.



Eѕtа Lei соmеçоu a tеr rеѕultаdо a раrtіr dеѕѕе аnо de 2017, ао ԛuаl ѕе torna um рrосеѕѕо lеgаl e fаz parte de uma revisão dо código реnаl de 2016, onde оѕ vаlоrеѕ аrrесаdаdоѕ nãо еrаm соmbіnаdоѕ раrа justificar оu nãо a арlісаçãо da pena de morte. 

Cоm a corrupção nо Brasil еѕtа соnhесіdа mundialmente e іѕѕо vem afetando várіоѕ países, a Chіnа соnvосоu ao рrеѕіdеntе mісhеl tеmеr a umа reunião ао ԛuаl o presidente dа China рrорõеѕ estabelecer еѕѕа lei nо Brаѕіl.

Lula é condenado mais uma vez na Lava Jato

Além de aumentar o tempo de reclusão, a condenação a 12 anos e 11 meses no processo do sítio de Atibaia pode complicar a progressão de regime do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que está preso na sede da Polícia Federal em Curitiba desde abril do ano passado.



A possibilidade, porém, ainda depende do julgamento do TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região), em Porto Alegre, que avaliará o recurso que a defesa de Lula deve apresentar sobre o caso. Três juízes federais de segunda instância irão avaliar se essa pena será mantida, aumentada ou até revista.

No ano passado, Lula já teve a pena em outra ação, a do tríplex de Guarujá, elevada pelo TRF-4 de nove anos e seis meses para 12 anos e um mês, também pela prática de corrupção e lavagem de dinheiro.

Na ação do tríplex, ele ainda recorre aos tribunais superiores e pode ser beneficiado com redução de pena e progressão para o regime semiaberto.

Mas ele pode ser preso novamente após o julgamento do recurso do sítio de Atibaia pela s…