14 de janeiro de 2018

Ministério Público pede bloqueio de bens de Lula

O bloqueio de bens tem como finalidade garantir a devolução aos cofres públicos de quatro milhões de euros que Lula, segundo o MPF, usou indevidamente. 




A acção interposta pelo MPF refere-se ao gasto desses quatro milhões de euros com a impressão e o envio pelo correio de mais de dez milhões de cartas enviadas pela Segurança Social a reformados entre Outubro e Dezembro de 2004, segundo ano do primeiro mandato de Lula. 

A missiva avisava os reformados que um convênio estabelecido entre a Segurança Social e o até então desconhecido Banco BMG lhes permitia a partir de então pedirem empréstimos a juros baixos e sem qualquer burocracia àquela instituição bancária, com o desconto das parcelas sendo feito diretamente nas reformas.

Deputados do PT farão renuncia coletiva se Lula for preso

Com informações da Revista Veja, Os membros do Partido dos Trabalhadores pedirão renúncia coletiva caso o ex-Presidente Lula seja preso, em nota pública, a decisão ocorreu após as comissões se posicionarem.




"Em respeito à legalidade e às prerrogativas dos deputados da oposição, mesmo antes de ser publicada a notícia de que todos parlamentares do PT (Partido dos trabalhadores), com dezenas de deputados não investigados, havia sido grampeado”. Em referência à Operação Lava Jato.

Segundo a nota pública, o texto, que havia sido publicado na página da Comissão de Política Criminal e Penitenciária, foi desautorizado e apagado após o PP e PRB se reunir e decidir apoiar o Juiz Sergio Moro e a prisão de Lula.

Diz a nota: “Infelizmente, a politica parece seguir rumos contrários àquilo que historicamente foi seu mister e alia-se a posições que propõem mais uma triste ruptura democrática em nosso país. 

Deputados que somos, manteremos nosso juramento de defender o Estado Democrático de Direito, o que não pode ser feito ao mesmo tempo em que integramos comissões da mesma câmara de deputados que assume a presente postura institucional a favor da destituição de um Ex-presidente é leniente com violações crassas às prerrogativas de todo o povo que o admira." 

Ilha da família Lula é descoberta, R$ 4 milhões de reais

O  triplex é coisa para simples mortais. O “chefe”, conforme revelou o próprio Ministério Público Federal, não pode ser tão somente o proprietário de um triplex desconfortável, coisa básica para quem criou um dos maiores sistemas de corrupção do Brasil.



Lula está muito acima de Joesley, Wesley, Dilma, Michel Temer, Aécio Neves, Eike Batista e todos os envolvidos na Lava Jato. A revelação bombástica é da colunista Anna Ramalho. Confira.

“Uma dupla de decoradores do maior bom gosto – famosíssima no eixo Rio-São Paulo – foi contratada em 2012 para fazer uma casa na Ilha dos Macacos, em Angra, bem na fronteira com a deslumbrante Lagoa Azul. A propriedade foi levantada com casa principal – 8 suítes – e mais três bangalôs duplex. Praticamente uma pousada. Custou entre R$ 3 e 4 milhões, na época, e foi toda custeada por Jonas Suassuna, dono da Editora Gol, e sócio de Fábio Luís Lula da Silva, o Lulinha, na Gamecorp. Chamou a atenção dos profissionais que o pagamento fosse feito sempre em grana viva, com recibos em nome da Gol Empreendimentos.


Suassuna pessoalmente supervisionou toda a obra e seu sócio, Lulinha, esteve várias vezes na Ilha. Numa das ocasiões, em reunião com os arquitetos, foi incisivo: queria mármore de Carrara em toda a casa. Uma das 8 suítes foi feita especialmente para o ex-presidente Lula da Silva e Marisa Letícia. Se ele foi ou não, os rapazes não sabem. Mas um deles, terminada a obra, almoçou na Ilha com Suassuna e Lulinha.”

Seria muito difícil acreditar que nessa altura das investigações e com tantas revelações de escândalos bilionários de desvio de dinheiro, o investigado Lula teria como pedra em seu caminho apenas um apartamento triplex no Guarujá.

Lava Jato vai abrir ação que impede candidatura de Lula

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pode ser alvo de ação civil de improbidade administrativa na Operação Lava Jato, que tem como uma das punições a proibição de disputar eleições.




Lula pode ser acusado nesse tipo de processo caso fique comprovado que empreiteiras envolvidas no esquema de corrupção na Petrobras pagaram custos de obras do sítio frequentado por ele em Atibaia (SP) no final de 2010, quando ainda era presidente, para beneficiá-lo ilegalmente.

Na Lava Jato, já estão em curso cinco ações de improbidade com pedidos de decretação de inelegibilidade por até dez anos contra acusados.